Como Desenvolver a consciência situacional estilo Jason Bourne

Nota: Esse artigo é uma tradução adaptada de How to Develop the Situational Awareness of Jason Bourne Algumas partes foram retiradas e outras modificadas para que ficasse mais próximo a nossa realidade.

noir_mafia_owl_by_themoonmonkey-d6holg2

   Há uma cena no início de A Identidade Bourne, onde o protagonista do filme está sentado em uma lanchonete, tentando descobrir quem ele é e por que ele tem um monte de passaportes e uma arma guardada em um cofre. Bourne também percebe que ele, bem, percebe coisas que outras pessoas não o fazem

Video da cena do Filme

   Essa capacidade sobre-humana de observar o seu entorno e fazer avaliações detalhadas sobre o seu ambiente. Não é apenas uma característica dos melhores agentes secretos; é uma habilidade conhecida como  consciência situacional, e você pode possuí-la também.

    Como o nome implica, consciência situacional é simplesmente saber o que está acontecendo ao seu redor. Parece fácil, em princípio, mas na realidade requer muita prática. E enquanto isto é ensinado a soldados, policiais, e agentes de segurança, é uma habilidade importante para os civis aprender também. Em uma situação perigosa, estar ciente de uma ameaça até mesmo segundos antes de todo mundo pode manter você e seus entes queridos em segurança.

Mas também é uma habilidade que pode e deve ser desenvolvida por razões não apenas por defesa e de segurança pessoal. O conhecimento da situação é realmente apenas um sinônimo para a atenção plena, e desenvolver esta percepção, estar mais consciente do que está acontecendo ao seu redor e mais atento em suas atividades diárias, que por sua vez me ajuda a tomar decisões melhores em todos os aspectos da vida.

Embora o foco é principal seja o desenvolvimento de sua consciência situacional para prevenir ou sobreviver a uma situação de emergência, os princípios discutidos também pode ajudar a aprimorar seus poderes de observação em todas as áreas de sua vida.

Como Desenvolver a consciência situacional

Muitos dos artigos sobre consciência situacional dizem que pode ser cultivada, mantendo geralmente controle dos seus arredores – “a verifique seus sentidos” e “mantendo as costas para a parede.”

Esta definição não é errada. Isso é exatamente o que consciência situacional é: sabendo o que está acontecendo a todo instante fazendo a varredura de seu ambiente. Contudo falta um pouco de foco. O que exatamente está se  procurando? Como sei se eu estou a atento para as coisas certas? Há comportamentos ou sinais de alerta de uma ameaça iminente que eu deveria saber?

Vamos começar por discutir os princípios gerais de aumentar as habilidades de observação, e, em seguida, mergulhar mais fundo em si consciência situacional para responder a estas perguntas importantes.

Observação + Orientação = consciência situacional

 

A consciência passa a ficar de fácil compreensão quando ela se enquadra no ciclo OODA.

O ciclo OODA é um processo sistema de aprendizagem e tomada de decisão, que foi colocado em primeiro lugar pelo piloto de caça da Força Aérea e estrategista militar John Boyd. As quatro etapas do ciclo OODA são Observar, Orientar, Decidir, Agir. Em uma competição frente a frente, como o combate ar-ar, um confronto violento em um estacionamento ou concursos até políticas, a pessoa que percorrem este ciclo OODA tem geralmente vitórias mais rápidas.

Obviamente, é um passo no circuito do Observador é o que a maioria das pessoas associam  com a consciência situacional.

Mas é a segunda etapa no ciclo OODA – Orientar . Orientação nos diz o que devemos olhar quando estamos observando e, em seguida, coloca essas observações dentro do contexto do momento e sabemos gerenciar a informações observadas.

Então Observação + Orientação = consciência situacional.

 

Mas como podemos nos tornar melhores observadores, para que possamos melhorar a nossa consciência situacional? E como devemos orientar-nos para que possamos observar as coisas certas e compreender o contexto do que estamos vendo?

Observação:  permanecer na condição de amarelo

Em seu livro seminal, Princípios de Defesa Pessoal, especialista de combate a arma Jeff Cooper estabeleceu um sistema de código de cores para ajudar guerreiros avaliar a sua mentalidade para cenários de combate. Cada cor representa estado potencial de uma pessoa de consciência e de foco:

colorcondition

 

Para consciência situacional ideal, Cooper recomenda que estamos sempre ficar na Condição amarela.

Condição Amarela é melhor descrita como “alerta relaxado.” Não há nenhuma situação de ameaça específica, mas você testá atento ao seu entorno, com todos os seus sentidos. A maioria das pessoas associam consciência situacional com estimulação apenas visual, mas você também pode aprender muito sobre um cenário em particular a partir dos sons (ou falta dele) e até mesmo cheiros no ambiente.

Mesmo que seus sentidos estejam ligeiramente atentos na Condição Amarelo, também é importante para ficar relaxado. Ao adotar uma atitude calma, você não vai trazer qualquer atenção desnecessária para si mesmo. Se você olhar inquieto e sua cabeça está girando freneticamente enquanto você analisa seus arredores, as pessoas vão perceber você. Além disso, ficar relaxado garante que você mantenha um foco aberto, o que lhe permite ter mais informações sobre o que está acontecendo ao seu redor. A pesquisa mostra que, quando ficar nervoso ou estressado, a nossa atenção estreita, fazendo-nos concentrar em apenas uma ou 2 coisas ao mesmo tempo, perdendo um pouco a noção do que está acontecendo em volta. Um foco estreito, portanto, pode levar-nos a perder detalhes importantes em nosso ambiente.

Olhe a frente do seu smartphone, não divida atenção com o aparelho, abra os olhos, ouvidos e nariz, e analise o com calma o seu ambiente para saber o que está acontecendo.

Além de ficar na Condição Amarelo, aqui estão mais algumas dicas para melhorar suas habilidades de observação:

Coloque-se em posição para observação ideal. Para alcançar a consciência situacional eficaz, você precisa ser capaz de observar o máximo de seu entorno quanto possível. Posicionar-se em locais que obstruam a visão ou audição vai prejudicar a percepção do fluxo de informações do que está ao sue redor. Por exemplo, algo pode estar no seu caminho que o impede de ver um cara mau entrar em um teatro ou restaurante. Você também não tem olhos na parte de trás de sua cabeça, para ver o que está acontecendo atrás de você.

Assim, sempre que você entra em um ambiente, coloque-se numa posição que lhe permitirá a melhor visão geral do ambiente. Por exemplo, encontre um lugar onde você pode ver todos ou a maioria dos pontos de saída, e que permita que você coloque as costas para a parede. Esta posição prepara você para fazer uma fuga rápida, e elimina a possibilidade de uma ameaça surja atrás de você.

owl_branch_sit_shadows_dark_40406_3840x1200

Contudo, isto não é possível em todas as situações. Você não tem muito controle sobre a ocupação das mesas de um restaurante num dia movimentado, e você provavelmente terá um monte de olhares estranhos se você ficar com as costas em um canto mais isolado . Então faça o seu melhor dentro das circunstâncias dadas. Nesse movimentado restaurante, você pode não ter o controle de seu local de mesa, mas você pode escolher qual banco se sentar. Escolha a cadeira que lhe dá a melhor vista de sua mesa. Quando você está na fila de um restaurante, fast food cinema, etc,  apenas tenha um olhar indiferente ao redor e “aprecie” a cena.

   Aprimore suas habilidades de observação, jogando O-Jogo  Mike joga um jogo com seus filhos chamado de “A-Game”, ou jogo de consciência, para ajudá-los (e ele próprio) fortalecer suas habilidades de observação. Para jogar, quando você entrar em um lugar , tome nota de algumas coisas sobre o seu ambiente: o número de trabalhadores atrás do balcão, o vestuário e sexo da pessoa sentada ao seu lado, quantas pessoas tinham aproximadamente a sua frente na fila, se for em supermercado, a localização de algum corredores,  quantas entradas / saídas existem, etc. quando você sair e entrar no carro para ir para casa, pergunte a seus filhos “quantos trabalhadores estavam atrás do balcão?” “foi a pessoa sentada ao nosso lado um homem ou uma mulher?” “de que cor era seu / sua camisa ? “” Quantas saídas estavam lá? Ou seja, utilize das informações ao se redor, principalmente os detalhes e formule perguntas para esse jogo.

   memorização mestre. Outra atividade divertida que vai ajudar a melhorar o conhecimento da situação é praticar memorização. Bourne conhecia todos os números das placas dos carros fora da lanchonete. Você pode ganhar esta habilidade, praticando com um baralho de cartas, ou sequências de números.

Orientar: fundamentos, metas e planos de ação

Sendo mais atento, não é suficiente para dominar a consciência situacional. Você tem que saber o que você está procurando, e em seguida, colocar essa informação em contexto, por isso tem um significado e se torna acionáveis. É aí que a fase Orientar entra em jogo.

O passo Orientar oferece três coisas para ajudar-nos a alcançar o conhecimento da situação: 1) linhas de base e anomalias para o nosso ambiente particular, 2) os modelos mentais do comportamento humano que devemos procurar, e 3) os planos de ação, dependendo nossas observações.

Estabelecer uma base onde quer que vá

base

Cada ambiente e pessoa tem uma linha de base. Uma linha de base é o que é “normal” em uma dada situação, e vai variar de pessoa para pessoa e de um ambiente para outro. Por exemplo, a linha de base numa sala de espera normalmente é as pessoas estarem lendo uma revista ou assistindo a TV ou falar em voz baixa com seus amigos. A linha de base de uma balada seria a música alta e as pessoas olhando para o palco, dançando no ritmo da batida.

Então o primeiro passo para orientar-nos é estabelecer linhas de base para que possamos dirigir nossa atenção para anomalias. Como podemos fazer isso em tempo real? Van Horne sugere que você mentalmente pergunte a si mesmo cada vez que você entra em um novo ambiente:

Questões de linha de base: Oque esta acontecendo aqui? Qual é o estado de ânimo geral do lugar? Qual é a atividade “normal” que eu deveria esperar aqui? Como a maioria das pessoas se comportam aqui a maior parte do tempo?

Pergunta para Anomalia:  O que faria com que alguém ou algo que seria a “anomalia” do momento? Sim isso abre para diversas variáveis, pois pode ser uma anomalia que não ofereça risco nem ameaça como por exemplo alguém gritando ou uma mesa de restaurante com grupo barulhento comemorando aniversário, uma criança brincando com o carrinho de compras dentro do supermercado  ou uma necessidade de evacuação, tipo um incêndio.

Conjuntos comportamentais para procurar

70faa2157af382159380b6cc6a249979

Nossa incapacidade de prestar atenção a tudo ao mesmo tempo faz com que seja impossível obter consciência situacional completa. A mente humana só pode lidar com tanta informação por um breve momento. Assim, no domínio da segurança pessoal, onde as coisas se desenrolam de forma rápida e segundos são muitas vezes a diferença entre a vida e a morte, para onde dirigir a nossa atenção é primordial.

Então, temos de nos concentrar em algumas coisas ao mesmo tempo que nossa mente é alimentada com informações constantes. Van Horne argumenta, por depender de heurísticas. Heurísticas são soluções “rápidas” e “sujas” de problemas e atalhos mentais usados para descobrir as coisas, quando o mínimo de informação está disponível e tempo é limitado decisório. As decisões tomadas a partir heurística nem sempre são perfeitas, mas no contexto de sua segurança pessoal, elas geralmente são suficiente. (Óbvio que com treinamentos, experiência e vivência esse tipo de conhecimento vai sendo refinado)

No domínio do cinesiologia, três grupos de linguagem corporal são de particular interesse para o conhecimento da situação. São eles: o dominador / submisso, confortável / desconfortável, e interessado / desinteressado.

Comportamento Dominador / submisso. Em geral, a maioria das pessoas tentam conviver com os outros, e por isso muitas vezes assumem posição acomodados ou submissas. Van Horne escreve que o comportamento dominante “é uma expressão da resposta de luta do sistema límbico” e muitas vezes se manifesta em “gestos e posturas que fazem intimidar as pessoas” menores “em sua volta.” Menor vs. maior aqui não basta aplicar ao tamanho físico, contudo, mas também refere-se a posições relativas de poder, ou seja, ter uma postura dominante e exercer um olhar dominador perante os outros. Inibindo proatividade das pessoas fazendo-as passivas.

Porque a maioria das pessoas procuram agir pacificamente, o comportamento dominador constitui muitas vezes numa anomalia, e a pessoa que indica  merece mais atenção, pois possivelmente vai querer “quebrar” a normalidade de convenções sociais,  exemplo alguém furando lugar na fila. Se alguém age de forma agressiva, autoritária, ou arrogante, não significa necessariamente que eles são uma ameaça; o contexto importa. Você esperaria um chefe de agir dominante em relação aos seus empregados e os empregados a agir submisso a seu chefe, mas ver o comportamento extremamente dominador  exibido por um cliente para um empregado não é tão comum. Isso é algo para manter atenção, pois pode ser início de uma confusão.

Comportamento Confortável / desconfortável. A maioria das pessoas vão olhar relativamente confortável na maioria das situações. Pense em passeio turístico, as pessoas provavelmente vão parecer bastantes descontraídas, enquanto eles aproveitam a paisagem e os atrativos. Se alguém parece desconfortável, isso é uma anomalia que merece atenção extra, mas isso não significa que eles são necessariamente uma ameaça. Ele pode ser apenas indiferente ao passeio, algo internamente o incomoda ou está preocupado com alguma coisa. Mais uma vez, é apenas algo para manter seu olho. Ou no transporte público, o olhar é um tanto indiferente ao que se está passando ao redor, a maioria preocupada em chegar logo e a irritação básica da lotação e do desconforto, contudo, alguém que fique analisando muito a bolsa, mochila de alguém, verifica distancia ate a porta ou se a plataforma esta vazia…

Van Horne diz que uma mostra comum de comportamento desconfortável e ficar um pouco desconfiado quando o mesmo analisa o ambiente, fica teclando no celular e olhando ao redor, principalmente perto de agência bancária. Isto é, quando uma pessoa olha por cima do ombro para ver o que está por trás deles ou geralmente digitaliza seus arredores . Pessoas que se sentem confortáveis em geral não fazem isso porque eles não se sentem qualquer ameaça. Então, se você ver um cara olhando por cima do ombro muito quando ele deveria estar lá distante, fica analisando muito o ambiente ou pessoa em busca de uma brecha, que é uma anomalia, que deve chamar sua atenção.

Agora, obviamente, verificar o ambiente algo que mocinhos situacional conscientes fazer também. Claro de que forma sutil e discreta, não deve ser perceptível para os outros, mas é preciso prática.

Por outro lado, alguém agindo confortável quando todo mundo está desconfortável seria uma anomalia. Um dos agentes de segurança foram capazes de identificar os terroristas da Maratona de Boston, notaram nas imagens de vigilância que os homens pareciam relativamente calmos, enquanto todo mundo estava correndo em pânico. A razão que eles pareciam calmos era porque eles sabiam que a explosão iria acontecer e, portanto, não foram surpreendidos por isso, enquanto todo mundo foi pego de surpresa.

Comportamento Interessado / interessada. A maioria das pessoas não estão prestando atenção ao seu ambiente. Eles estão presas em seus próprios pensamentos e preocupações para prestarem atenção aos detalhes em volta. Assim, os indivíduos que estão mostrando interesse em uma pessoa ou objeto que a maioria das pessoas não estariam interessado em particular, é uma anomalia que merece maior atenção.

Estes conjuntos de 3 linguagens corporais fixam pontos de referência para todas as situações em que nos encontramos e nos permite dirigir a nossa atenção limitada em relação às coisas que são potencialmente mais importantes e / ou perigoso. Se o comportamento de uma pessoa através destes grupos se encaixa na base de referência para essa circunstância particular, você pode muito bem ignorá-los. Se o seu comportamento não se enquadra na linha de base, eles são uma anomalia e você deve observá-los com mais atenção.

Outros Indicadores Ameaça Comportamentais

Além dos três linguagens corporais acima, os Marines são treinados para perceberem outros comportamentos suspeitos que poderiam se aplicar às situações civis também:

“Mãos desonestas”:  Militares e agentes da lei tipicamente verificam as mãos em primeiro lugar em qualquer pessoa com a qual eles estão envolvidos. Isto é por duas razões. Primeiro, “verificar as mãos de uma pessoa garante que a pessoa não está segurando uma arma e não está se preparando para atacar”, escreve Van Horne. Em segundo lugar, as mãos muitas vezes indicam más intenções. As pessoas que estão escondendo algo para não ser descoberto, como uma arma, faca ou objeto roubado, como a intenção de se livrar de tais objetos ou sinalizar para alguém”, muitas vezes tocarão ou acariciarão a área no corpo onde esse objeto está escondido, como se para garantir que o objeto não foi perdido ou Ainda está escondido da vista.

“Agindo Natural”.É difícil “agir naturalmente” quando você não está completamente focado em tudo o que você realmente deveria estar fazendo. As pessoas “agindo naturalmente” aparecerão distraídas  ou exagerarão seus movimentos, os gestos podem parecer forçados ou ensaiados. Insurgentes no Afeganistão, muitas vezes tentam agir como agricultores, quando eles estão de fato tentando coletar informações sobre patrulhas militares dos EUA. Marines são treinados para procurar esses “agricultores” que parecem estar “trabalhando duro”.

Tenha um plano de ação baseado no que você observa

Você vai até o mercadinho e um cara armado decide entrar também. Mas porque você seguiu os princípios acima, você é o primeiro a vê-lo como uma ameaça. Ótimo. Mas o que você vai fazer sobre isso? Os segundos importam aqui. Você não tem tempo para formular um plano bem elaborado. Além do mais, o estresse do evento vai confundir o seu pensamento e tomada de decisão.

Além de perguntar a si mesmo as questões da linha de base e da anomalia toda vez que entra em um ambiente, Van Horne sugere que você faça uma terceira pergunta: “O que faria se eu visse uma anomalia?” Em outras palavras, crie um plano de ação.

Então vamos voltar ao exemplo do mercadinho. Digamos que a anomalia para a qual você quer criar um plano de ação é “cara vem com uma arma”. O melhor curso de ação neste cenário depende de algumas coisas. E, sabendo o que essas poucas coisas são, você precisa estar atento à situação. Se o ladrão veio da porta da frente e você está perto da saída traseira, sua melhor ação seria sair pela a porta traseira imediatamente. Por outro lado, se ele entrou pela saída de volta perto de você, e está bloqueando a saída, procure se abrigar de forma esconder da melhor forma a sua silhueta.

Estabelecer linhas de base. Procure por anomalias. Tenha um plano.

Consciência Situacional como Tática Preventiva

Os animais são criaturas de oportunidade. Eles normalmente só atacarão outra criatura se parecer vulnerável. Os Leões vão atrás de gazelas mais jovens, mais doentes ou mais velhas, porque são mais fáceis de capturar. O mesmo acontece com os seres humanos. Os criminosos agem praticamente da mesma forma, procurando uma  pessoa que pareça vulnerável, se a vítima é fisicamente mais fraca ou simplesmente se está desprevenida ou distraída.

Praticar consciência situacional é um ato contínuo para diminuir sua vulnerabilidade. Quando você está fora  e nas proximidades, fique em alerta ao redor. Comece seu nariz fora de seu smartphone. Quando você está andando de volta para o seu carro à noite ou andando pela rua, tenha as suas chaves em prontidão e constantemente faça varredura dos arredores. Quanto menos vulnerável parecer , menos provável alguém vai mexer com você.

Prática, Prática, Prática

look

A consciência situacional é uma mentalidade que você tem que cultivar diariamente. Você quer chegar ao ponto que faça de modo automático. Para chegar a esse ponto, você tem que praticá-lo regularmente. A partir de hoje, conscientemente lembre-se de olhar para os pontos de entrada / saída sempre que você entrar em um novo edifício. Comece a observar as pessoas e estabelecer linhas de base e gerar possíveis anomalias enquanto estiver no trabalho, na academia ou em uma data. E então começar a chegar com planos de ação sobre o que você faria nessa situação específica, se você ver uma possível ameaça. Não seja paranóico, apenas consciente. Faça isso dia após dia, e consciência situacional não será algo que você tem que intencionalmente pensar, apenas algo que você fará naturalmente. E não falso agricultor no Afeganistão, mas estilo Jason Bourne.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s